Central de Notícias

Tópicos

Infectologia

Coronavírus: Ministério vai permitir que médicos usem remédio da malária em pacientes graves

   Compartilhar notícia

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde anunciou que vai liberar a partir de sexta-feira 3,4 milhões de unidades do medicamento cloroquina para que os médicos possam avaliar seu uso em pacientes graves do novo coronavírus, que já matou 63 pessoas no Brasil. Foi elaborado um protocolo, que prevê cinco dias de tratamento, sempre dentro do hospital e monitorado por um médico, em razão de seus efeitos colaterais. O remédio já é utilizado no tratamento de malária, lúpus e artrite.

 

— O que o Ministério da Saúde está fazendo é deixar no arsenal, deixar à mão do profissional médico. Se ele entender que o paciente grave pode se beneficiar, o que vamos fazer é deixar esse remédio ao alcance dele — disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

 

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Denizar Viana, destacou que o uso será restrito. Ele disse que, no caso dos pacientes graves, os benefícios podem superar os riscos.

— Esse medicamento não é indicado para prevenção. Não é indicado para os sintomas leves — disse Denizar.

Segundo o Ministério da Saúde, a cloroquina demonstrou ter ação contra o vírus em laboratório. Também há indicação de melhora nos pacientes graves. Por outro lado, o Ministério da Saúde ressaltou que ainda é preciso evidências clínicas mais robustas. "A única evidência mostra aparente redução da carga de vírus em secreções respiratórias", informou a pasta.

FONTE O GLOBO

 


Comentários

Responder
HELENA MARINHO HINDEN
29 Mar 2020
Ação da CLOROQUINA SOBRE O COVID 19.
Responder
JOSE MARIA JUNIOR
27 Mar 2020
BOM DIA, ESSE MEDICAMENTO JA DEVIA TER SIDO USADOS PELOS NOSSOS ESPECIALISTAS QUE SÃO MUITO BONS NO QUE FAZEM, SEUS ESTUDOS QUE NOS PROVOU QUE ESTÃO APTOS MAS TEM TANTA BUROCRACIA QUE DEMORA UMA ETERNIDADE. ESTOU COM VCS QUE SALVA VIDAS DEUS ABÊNÇOE CADA VEZ MAIS VCS OBRIGADO.
Responder
Mary Anne Kowal Olm
27 Mar 2020
Gostaria de receber estudos de orientação para o uso em crianças e as doses nos pacientes adultos e crianças!